terça-feira, 21 de novembro de 2017

O que fazer quando a leitura não flui? | Como ler melhor?



Oi, tudo bem?

Nesse post aqui, falei que começaria uma nova coluna e um novo quadro lá canal. Hoje, nós vamos falar sobre leituras que não fluem e o que fazer quando isso acontece.

Todo mundo, acredito eu, que compra algo novo, quer usar logo. Seja o que for, casa, carro, sapato, roupa, bolsa,… Acho que somos assim até com comida! (Risos) Quem nunca pediu aquela pizza porque queria comer algo rápido?

Com livros, acho que é a mesma coisa. Compramos algum livro, da infinita lista de desejados ou não, já pensando quando saborearemos aquelas páginas. Se comprarmos pela Internet, então, ficamos ansiosos.

E, porque alguns de nós, temos o gosto refinado, gostamos de escolher a melhor edição e que, às vezes, nem sempre, acaba sendo a mais cara.

A expectativa é grande! Afinal de contas, vimos muitas resenhas positivas sobre aquela obra. Muito booktubers e blogueiros indicando o livro. Não vemos a hora de ter isso em mãos.

Finalmente, chega o dia da compra ou do correio passar em casa. Pegamos o pacote, abrimos, tiramos aquele exemplar, ou exemplares para os que estão ostentando nesse momento, do plástico, sentimos o cheiro de livro novo… Quem nunca? (Risos)

Decidimos começar a ler imediatamente, tomados pela sensação do novo. Abrimos o livro, iniciamos a leitura. Então, passam-se 5, 10, 15, 30 minutos. E a nossa mente não consegue conectar com o livro. Não saímos da página 2.

Alguns de nós, talvez pensemos assim: “Bom, estou cansado… Vai ver que é por isso que não consigo ler. Amanhã tentaremos novamente! Por que afina de contas, somos leitores perseverantes! Leitores brasileiros que não desistem nunca!”.

No dia seguinte, nos voltamos para aquela bela obra localizada na nossa escrivaninha. E, mais uma vez, tomamos coragem para encarar essa leitura. Abrimos o livro na primeira página, buscando recomeçar para compreender toda a trama. Passam-se 5, 10, 15, 30 minutos… E o mesmo acontece!

Mais uma vez não conseguimos realizar a leitura. Se somos pessoas mais analíticas, observamos o que está acontecendo, até tentarmos encontrar uma possível justificativa.

Se somos pessoas mais impacientes, queremos defenestrar o livro (arremessá-lo pela janela).

E agora? O que a gente faz com o livro que custou caro ou, que não foi tão caro assim, mas queríamos muito ler? Puxa, todas pessoas com quem falamos, blogueiros e booktuber que consultamos disseram que o livro era legal. Criamos uma grande expectativa!

Sei que é apenas um exemplo hipotético, no entanto, você já deparou com uma situação assim? Vamos pensar sobre alguns motivos que podem levar a não conseguir. E, também vou sugerir, algumas possíveis soluções para isso.

Antes disso, preciso deixar claro que não sou profissional da área da educação, escrevi isso baseado na minha experiência pessoal. Se você pensa diferente, sinta-se à vontade, desde que seja com bom senso e educação, para se expressar nos campos de comentários, abaixo desse post.


#1. Linguagem muito difícil




Uma linguagem muito difícil pode fazer a gente querer desistir na hora. Lembro que a primeira vez que tentei ler “Memória póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis, eu tinha 15 anos, pouco vocabulário. Tive que consultar o dicionário muitas vezes para compreender as duas primeiras páginas.

Ah! E não pense você que o livro precisa ser antigo ou com palavras da época Cabral para serem difíceis. Já peguei livros com palavras bem atuais, especialmente traduções, em que ficou difícil de ler o texto.

Possível solução:


Para literatura nacional: tente, antes de comprar, encontrar um livro que já venha com alguns estudos ou notas de rodapé que falem sobre o autor, a época em que a obra foi escrita, entre outros.

Para literatura estrangeira: aprendi isso lendo a Bíblia Sagrada, escolha boas traduções, e dê preferência as mais recentes. Geralmente, livros traduzidos nos últimos anos, usam inclusive as novas regras de ortografia e vocabulário contemporâneo.


#2. Falta de Maturidade




Se tem algo que pode nos atrapalhar é isso. Todos nós nos encontramos imaturos em algumas áreas de nossa vida. Sentimental, familiar, financeira, profissional, acadêmica…

Existem alguns conteúdos que não temos maturidade para encarar. Seja ela de ordem espiritual ou emocional.

Lembro que, quando estava me preparando para o TCC da graduação, o coordenador orientou a turma a tomar cuidado com o assunto que escolheríamos.

Pois, para cada tipo de graduação em nível superior, se espera um certo nível de maturidade, ou seja, existem assuntos que só saberemos como lidar quando estivermos em um doutorado, por exemplo.

Na graduação normal, não temos maturidade para criar uma tese(doutorado), por exemplo, no entanto é certo que não passaremos para as novas fases se não passarmos pela fase da monografia.

Sendo assim, às vezes, não dá para queimar etapas. Em muitos casos, precisamos de uma boa base sólida para poder construir uma casa de conhecimento.

Possíveis soluções:


Abandonar esse livro por um tempo. Sim! Eu sei, você já gastou dinheiro com o livro… Talvez praticar o desapego temporário possa ser a saída mais óbvia. Vou falar sobre isso no próximo tópico.

Se você está realmente interessado em ler algo relacionado a esse assunto, faça pesquisas na Internet como “Livros sobre o básico sobre eletrônica”, por exemplo. Você talvez encontre livros com níveis mais condizentes ao seu.

#3. Não querer desapegar




Como escrevi no tópico anterior, abandonar o livro por um tempo pode ser uma ótima solução.

Se estou lendo um livro e percebo que a leitura não está fluido, abandono ela por um tempo, e depois retorno. Se voltar a ler e ainda não está dando certo, largo mais um pouco.

Nesse momento, tenho um livro na minha estante, que comprei já tem uns dois ou três anos. Vibrei quando olhei o título, mas tive vontade de arremessá-lo na parede tamanha a dificuldade de leitura. Maturidade não é problema nesse caso, mas a linguagem dificulta um pouco a leitura.

Já entrou na minha meta de leituras algumas vezes, porém não consigo ler ainda. Como o assunto ainda me interessa muito, estou deixando ele “de molho” para ler na melhor ocasião “certa” (vou tentar de novo em breve… risos).

Possíveis soluções:


Persistir! Especialmente se você gosta ou tem um forte interesse no assunto. De tempos em tempos, tentar novamente, uma hora a gente consegue. Já tive experiências muito boas com isso. Falei disso, numa resenha aqui do Blog.

Estabelecer metas. Criar um projeto de leitura, pode ser de grande valia nessas horas. Se você gosta de desafios, isso poderá te estimular. Depois de terminar, dê a si mesmo(a) uma recompensa.


E quando, depois de tentar tudo isso, não conseguir ler o tal do livro?


Já pensou esse livro não pode não estar “funcionando” você? Existem pessoas que só começam a gostar ler, depois de encontrarem o livro que despertam o gosto pela leitura.

Já pensou que pode existir o contrário, livros que nos adormecem? Sei que isso parece uma “viagem”/hipótese meio louca, mas pode ser verdade (risos).

Nesses casos, você pode praticar o princípio da semeadura e dar esse livro a alguém que goste desse tipo de assunto. Que princípio é esse?

Você pode chamar de causa e efeito ou outro nome que você conheça. Se você plantar uvas, é certo que colherá uvas e não romãs. Se der livros é isso mesmo que colherá, livros. 😉

Concluindo


Tornar-se um leitor é um processo e se manter um exige perseverança.

Espero que esse post tenha te ajudado de alguma forma. O que mais você acredita ser um dificultador para ler determinado livro? Quem sabe faço outro post sobre assunto?!

Se ele foi útil, compartilhe com seus amigos e nas redes sociais.

Que Deus te abençoe! Até mais! Tchau!

Postagens Populares